Categorias
Reflexões

O que o vinho pode nos ensinar sobre investimentos

No momento em que escrevo esse artigo, a temperatura em São Paulo está em 14°C. Sim, um pouco frio. E esse friozinho lembra como um vinho pode ser um grande companheiro…

Os bons vinhos, aqueles chamados “de guarda”, são os vinhos que melhoram quando ficam mais velhos. Assim como os investimentos, que também amadurecem e geram frutos com o passar do tempo. Mas há também o vinho do dia a dia, que é pra ser bebido jovem, não é pra deixar envelhecer. Da mesma forma, também existem investimentos que estarão ali, disponíveis ao alcance das mãos para situações inesperadas (a famosa reserva de emergência usa esse tipo de lógica).

É possível achar vinhos BBB (bons, bonitos e baratos)! É aquele momento em que você, andando pelo corredor de um supermercado, adega ou numa viagem, encontra uma pechincha, um vinho de qualidade, daquele para abrir com os amigos e degustar com a certeza de ter feito um ótimo negócio. Nos investimentos, a oscilação dos preços na bolsa gera essas oportunidades de tempos em tempos, mas, para poder aproveitar, você precisa saber que “vinho” está comprando, pra não pagar “barato” num produto de péssima qualidade, que te dará dor de cabeça (literalmente) ou te fazer comprar gato por lebre.

Existem diversos tipos de vinhos, mas quero focar na diferença dos vinhos brancos e tintos. Os vinhos brancos, de forma geral, vão melhor no calor, pra beber gelado, na beira da piscina, enquanto os tintos podem se sair muito melhor no frio. Da mesma forma, existem investimentos que vão melhor “no verão” e outros vão melhor “no inverno”. Para isso, é importante ter um portfólio ou carteira de investimentos à prova de crises, feito para todos os climas. Sim, estou “roubando” o conceito do megainvestidor Ray Dalio com a sua carteira All Weather.

Outra semelhança que vejo entre o mundo dos vinhos e dos investimentos é que antes de começar a degustar, tudo parece muito difícil. Cabernet Sauvignon, Carmenere, Sirah… Muitos termos e variações. Aí você aprende que vai escolher pela uva destacada no rótulo. Isso é verdade, mas não para os vinhos europeus. Lá eles destacam a região, separam em classificações baseadas em regras rígidas e você começa a descobrir que tem IGT, DOC, DOCG, etc. Depois você precisa aprender como harmonizar com carne vermelha, peixe, massas, queijos, pizzas e por aí vai.

E no mundo dos investimentos? CDB, LCA, LCI, Tesouro Direto, CRA, CRI, Ações, Debêntures, Dividendos, Data-Com, Data-Ex, Day trade, Swing Trade… É tanta coisa que chega a assustar! É bem verdade, mas uma coisa é certa: quando você começa a degustar os vinhos, começa a descobrir qual você gosta, aquele que o seu paladar determina se é bom ou não, se combina com isso ou aquilo. Sim, você é único e o seu paladar também. Talvez seja por isso que se diga que “gosto não se discute”. Nos investimentos é igual: começar a investir dá um friozinho na barriga, mas com o tempo e prática, tudo fica mais fácil, você vai se conhecendo, entendendo o seu comportamento com relação a riscos.

No mundo do vinho também é muito ouvido que são as companhias que importam. Por outro lado, o melhor dos vinhos pode se tornar intragável se a companhia não for boa… Vamos falar de coisa boa? O destaque aqui é que tem muita coisa ao redor das nossas vidas que valem mais que dinheiro, o que é óbvio! Família e amigos, pra ficar no senso comum. Nas finanças, você precisa manter o mesmo espírito. Não dá pra ficar estressado porque a bolsa caiu, ou P* da vida porque alguém na sua casa (ou você mesmo) gastou R$ 50 a mais… Vendo de outra forma, não dá pra ter na sua carteira aquele investimento que tira o seu sono (outro item que vale mais do que dinheiro). Aliás, o critério do sono é um excelente termômetro: você dormiria bem se soubesse que aquele investimento tem um risco X? Se sim, vá em frente. Se não, vá dormir.

Ontem li uma reportagem com a seguinte headline: “Pai guarda vinho de R$ 18 mil por 17 anos, e filha o usa em sangria”. Aqui vejo duas questões: (1) nem todo mundo dá o mesmo valor para as mesmas coisas. Alguns acham que vale demais, outros acham que vale de menos. e (2) fazer a sucessão do patrimônio entre gerações é um desafio! Não bastasse a reportagem, li o comentário de uma pessoa muito bem sucedida dizendo “nunca vi adega seguindo carro funerário”, o que gera ainda mais reflexões acerca do que fazer com os recursos que acumulamos ou de, no mínimo, dar o valor na medida correta aos bens materiais.

A Futurar tem como missão simplificar o mundo dos vinhos, ops, das finanças e investimentos das famílias. Entre em contato para ver como podemos, em parceria com você, dar os melhores direcionamentos para a sua vida financeira, gerando a tranquilidade e felicidade que você merece!

Saúde!

Thiago Ramos, planejador financeiro da Futurar